Uso de Serious Games na área da saúde.

01/04/2018
Os Games ou Jogos (tradução literal do inglês) podem ser identificados por aplicações fundamentadas em computação gráfica. Os Jogos são conhecidos, principalmente, em prover entretenimento, porém há várias concepções de gênero, principalmente para os jogos eletrônicos. Pode-se citar os jogos de ação, aventura, corrida, educacionais, de entretenimento, esportivos, estratégia, infantis, combate e simuladores, dentre outros. Existem ainda, jogos que são concebidos usando mais de uma desses conceitos. Serious games, por exemplo, é um desses.

Os serious games visam a simulação de situações práticas do dia-a-dia, com o objetivo de proporcionar o treinamento de profissionais, situações críticas em atividades realizadas por seres humanos, conscientização e mesmo para situações corriqueiras, como a escolha de uma tinta ou textura para uma parede. Dessa forma, os serious games, diferentemente dos outros gêneros de jogos, identificam um propósito específico, ou seja, vai além da ideia de entretenimento e oferecem outros tipos de experiências, como aquelas voltadas ao treinamento e a obtenção do conhecimento.

No que se refere a treinamento, os serious games são aplicados para simular situações críticas, que envolvam algum tipo de risco, tomada de decisões ou, ainda, desenvolver habilidades específicas. Em alguns casos, pode-se trabalhar com o treinamento e o ensino juntos onde se aprende algo para ser utilizado na própria simulação.

Uma das áreas que vem se beneficiando com os serious games visando o treinamento e o ensino é a da saúde. As dificuldades encontradas na obtenção de materiais, validação de produtos e treinamento de profissionais, além da necessidade de novas abordagens para reabilitação e ensino de hábitos saudáveis, tornam os jogos um importante aliado de profissionais e pacientes. O uso destes jogos em ambientes imersivos e a inclusão de dispositivos não convencionais, como óculos de Realidade Virtual (RV), tangenciam as aplicações de Realidade Virtual e Aumentada (RVA), na qual o conceito de serious games pode contribuir para a motivação do aprendizado em ambientes virtuais (AV).

Na área da saúde a RV propicia um ambiente seguro de treinamento e estudo no qual estudantes e profissionais podem visualizar conceitos bem como treinar procedimentos sem colocar em risco a vida de pessoas.

A Universidade de Stanford, criou um serious game de RV que médicos podem simular uma cirurgia endoscópica dos seios da face. Nesse laboratório, os médicos da Stanford usam a RV para simular e ensaiar a cirurgia que farão depois nos pacientes, com melhora significativa dos resultados.

O tratamento de pacientes psiquiátricos é outra aplicação importante de serious games como no tratamento de fobias. Um tratamento auxiliado por um game baseado em RV oferece um ambiente seguro no qual o paciente pode ficar “face a face” com os seus medos, experimentar estratégias de enfrentamento e quebrar padrões de comportamento frente a essas fobias. Outro exemplo de uso é no tratamento de pessoas que sofrem de stress pós-traumático. A Universidade do Sul da Califórnia, utiliza com bastante sucesso no tratamento de veteranos de guerra. Outro caso de sucesso é no tratamento da dor fantasma, um problema que ocorre em pacientes que sofreram amputações de membros que praticamente não existe tratamento. A RV ajuda a reconectar o cérebro com a realidade do membro amputado, possibilitando uma forma de relaxamento e controle da dor.

Há vários projetos nesse sentido sendo desenvolvidos no Brasil. Na FATEC de Lins está sendo desenvolvido um serious game de treinamento cirúrgico. Com o jogo, o estudante poderá treinar quantas vezes forem necessárias até aprimorar o seu conhecimento na escolha dos instrumentos cirúrgicos adequados para um determinado procedimento.

Como notado, as aplicações de serious games baseados em RV na área da saúde são bastante amplas. Elas podem melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas. A fim de encontrar a excelência no uso desses tipos de games, o acompanhamento de profissionais da saúde durante todas as etapas de desenvolvimento do game é primordial.

Sobre o(s) autor(es)

Adriano Bezerra é Mestre em Ciências Matemáticas e de Computacão pelo ICMC – USP. Professor e pesquisador nos cursos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Jogos Digitais e Gestão da Produção Industrial e coordenador do Laboratório de Desenvolvimento de Aplicações em Educação(LabDesAE) da Fatec Lins.
Desenvolvido por Felipe Maciel (: